sábado, 24 de março de 2012

As pedras no caminho...



Acredito que o maior desafio que a Vida nos coloca é aprender-mos a viver com as nossas frustrações. 
Até o conseguir-mos, quando o conseguimos, é um longo caminho de aprendizagens, de momentos de desespero e de vontade de desistir, porque muitas coisas e muitos acontecimentos, simplesmente não fazem sentido!
Mas também acredito que a experiência que nos traz o passar do tempo e a vivência de amarguras e de dores que parecem não caber dentro de nós, nos vai aplacando a angústia e nos vai deixando espaço interior para percebermos que conseguimos ultrapassar, que somos mais robustos do que pensávamos e que afinal escapámos a mais uma e até já conseguimos voltar a sorrir! 
E surpreendemo-nos com esse sorriso que já não esperávamos...e assim se vai fazendo o caminho e assim percebemos que vencemos não apenas a dor mas também a frustração e isso vai-nos tornando mais fortes e mais sábios porque aprendemos como voltar a sorrir e porque aprendemos que o caminho não é sempre a direito nem sempre para a frente, mas aprendemos também, e na pele, que um caminho que já desbravámos, jamais voltará a ficar intransitável, porque ainda que recuemos dois passos atrás, quando lá voltarmos, já nada será tão difícil, porque o mais doloroso, o trabalho de desbrave, já nós o fizemos anteriormente. 
E desta vez avançamos com uma passada mais firme e não dois, mas sim três ou quatro passos para diante e é o nosso o caminho que se vai fazendo.


13 comentários :

mfc disse...

Hoje vou discordar... com toda a amizade.

Quem primeiro me alertou para a indignidade do sofrimento foi Sommerset Maugham. Foi com ele que percebi que esta tendência para a expiação, da nossa sociedade judaico cristã, serve alguns desígnios, mas não serve os nossos desígnios.
A expiação está associada à culpa e mais ainda àquela culpa(??) que já nasce connosco... aquela historieta do pecado original.
Ora eu aspiro à liberdade e à felicidade e nada quero ter a ver com essa gente que me tolhe o passo.
... mas reconheço que não me liberto o suficiente!
Daí não concordar nem um pouquinho que as dificuldades nos fortalecem...
Mutatis mutandis, nesse caso daríamos toda a razão à direita por criar cada vez mais pobres, pois isso fortaleceria o tecido social!!

Um beijo grande

ams disse...

Chiu...chiu... alguém está a aconselhar-se junto da almofada...

Rute disse...

mfc

Não temos que estar de acordo em tudo para ter-mos afinidades, para ser-mos amigos...se assim fosse as relações entre as pessoas seriam francamente aborrecidas, não achas?

Depois de ler atentamente o que escreveste, vou dar-te a minha opinião.
Também li Sommerset Maugham e sei ao que te referes, porque quando o li, há já muitos anos, li toda a sua obra ( não sei se me escapou algum, porque são imensos...). E na altura gostei muito e marcou-me! Não digo (nem diria nunca) que o sofrimento é digno e que serve para expiar pecados, porque nem sequer acredito nisso. Refiro-me ao sofrimento que inevitavelmente nos acontece em algumas fases da vida, associados a perdas de entes queridos, a doenças graves nossas ou de outros a quem amamos, etc, etc. quando saímos dessas experiências/situações, saímos fortalecidos porque vencemos a dor e conseguimos dar a volta e continuar. E aí vimos com uma força nova, que vem de dentro de nós próprios e que nada tem a ver com religião. Não obstante, quem é crente, poder sentir que teve a ajuda de Deus.
E aqui que digo tem muito a ver com a minha experiência pessoal, claro está.

Apesar de tudo, acredito na existência de um deus, mas de um deus que não é castigador, nem se satisfaz com o nosso sofrimento ...não acredito em pecado original nem no Inferno, etc, etc...mas isto agora dava pano para mangas!

E discorda sempre que for caso disso:))

1 beijo

Rute disse...

Errata: - SERMOS em vez de SER-MOS.

- VOLTAMOS em vez de VIMOS.

- E AQUILO QUE DIGO em vez de E AQUI QUE DIGO.

...isto é o que dá não reler antes de publicar...;)

Rute disse...

ams

hHeheheehe...acho que 'alguém' está a dormir profundamente...;)

1 bj e 1 bom fim-de-semana

teca disse...

Sempre há o tempo de reflexão e assentamentos... o importante é não se perder a vontade, a fé, a esperança...

Beijo grande.

A.S. disse...

Rute, a vida por vezes nos surpreende. temos que saber ultrapassar os momentos difíceis e desfrutar todos aqueles que nos dão alegria, prazer e felicidade!

Beijos,
AL

mfc disse...

Obrigado... e um beijinho!

Remus disse...

Somerset Maugham?
Vocês andam muito eruditos. Nunca ouvi falar nessa figura. Mas é certo que a culpa só pode ser minha...
:-)

Mas vou falar da fotografia, que pelo menos isso percebo um bocadinho.
Gostei da forma como o enquadramento e composição foram realizados. Mas o melhor de tudo, é a forma como a luminosidade foi captada, porque tendo em conta a predominância dos brancos, eles não ficaram "queimados". É sinal que a Rute já domina a técnica.

Rute disse...

teca

Tens toda a razão e és sempre muito positiva e isso é muito bom:))

1 beijinho grande e obrigada por teres vindo

Rute disse...

AL

Assino por baixo...;))

1 beijo e obrigada pela tua visita

Rute disse...

mfc

Não tens nada que agradecer e é sempre um prazer conversar sobre as coisas, sobre as questões que nos vão surgindo;)

+ 1 beijo

Rute disse...

Remus

Hoje em dia não se houve muito falar em Sommerset Maugham, mas é pena porque este escritor "... continua a ser um dos romancistas ingleses do nosso tempo mais lido e admirado em todo o mundo". se não me levares a mal vou aconselhar-te um dos seus melhores livros (na minha modesta opinião) dele. Aqui vai: " O Fio da Navalha".

* agradeço-te muito a opinião fotográfica ...e por acaso estive exactamente a tentar não 'estourar' a enorme área de branco!

1 beijinho:)