domingo, 23 de outubro de 2011


E de repente...



... renasço para a vida que apenas existe dentro de mim. São momentos em que sou impelida a olhar-me intersticialmente, sem distracções e totalmente alheia a ruídos do exterior, àqueles que nos acompanham na maior parte dos dias e nos ludibriam da essência de nós mesmos. E é nesse de repente que tudo muda e que consigo perceber o que de mais sólido habita em mim e a força em potencial que no fundo sei que todos temos cá dentro! Não sei explicar o porquê destes mecanismos que têm origem na nossa mente, mas sei que são momentos-relâmpago de grande nitidez interior nos quais atinjo um grau de liberdade total, onde me apercebo verdadeiramente que dentro dos meus pensamentos ninguém pode entrar e que aí a minha liberdade é absolutamente soberana e que posso até descobrir novos Continentes...inventar novos percursos, inverter destinos. Posso viver uma segunda vida, um ou vários amores, sem limites e sem imposições de ninguém ou de coisa alguma. E de repente tomo a plena consciência de que sou rainha do meu reino, no qual só eu dou ordens ao meu coração e posso soltar do meu peito, com uma alegria e paz imensas , as toneladas de resíduos tóxicos que trouxe do exterior e que sem me aperceber me foram enfraquecendo e debilitando a resistência à adversidade, a tolerância e a lucidez. 
E também de repente...da mesma forma com que saí, regresso à labuta do dia a dia, ao mundo exterior a mim, ao nosso mundo condicionado, ao mundo de todos nós, onde partilhamos e dividimos desesperanças, mágoas, dores, alegrias, risos... E de repente cá estou eu de novo, tal como todos os outros, sujeita à injustiça , à desilusão e ao cansaço inerentes à vida. Mas sei que venho renovada de mim e por mim mesma e por isso mesmo, mais fortalecida. E assim sou eu, até que um outro ciclo se complete...até um outro " de repente"...


19 comentários :

João Farinha disse...

Lindíssima esta composição abstracta.

photoattraction disse...

Bonito reflexo e cores.

Sérgio Pontes disse...

Gosto dos reflexos

Existe um Olhar disse...

Uma auto análise perfeita acompanhada com uma foto que tem tudo a ver com o texto...os estranhos desígnios da mente.
E como não posso acrescentar mais nada ao que tão brilhantemente foi escrito, deixo-te uma frase de Buda de que gosto muito:
"A verdade está dentro de nós. Não surge das coisas externas, mesmo que assim acreditemos"

Beijos
Manu

João Menéres disse...

Lá estou eu, RUTE...
Se eliminasses parte da base, penso que este REFLEXO iria ganhar imenso em força.

Li também as tuas reflexões. Continua, continua !

Um beijo.

mfc disse...

A foto é um espanto de "impressionismo!
Mas atenhamo-nos ao texto que é importantíssimo. Falaste daquele âmago de liberdade que é o nosso interior absolutamente intocado. Aquele nosso espaço de liberdade que tão necessário nos é!
Só podias mesmo ser assim sensível.
Obrigado e muitos beijinhos.

IRIS disse...

misteriosos desígnios da mente que afinal é corpo que afinal é a energia que afinal é a vida em nós. a única certeza que a(s) crise(s) não podem abalar.
a fotografia transpira esse texto :-)

beijnho

Rodrigo Passos disse...

te sentindo e gostando !!!

Roberto Machado Alves disse...

O texto combina com a foto ou a foto combina com o texto? Enfim, um casamento perfeito.
Ao ver a sua foto, a princípio, pensei que fosse uma abstração. Lindíssima. Meus parabéns.
Voltarei mais vezes.

Roberto,Brasil

ZEKARLOS disse...

Muito bom, a foto tem nota máxima. Muito bem pensado. bjs

Helder Ferreira disse...

Belos reflexos.. :)

Remus disse...

Desta vez sou eu que não partilho da opinião do ilustríssimo senhor Menéres.
Acho que mesmo aquela parte de baixo "mais preenchida", resulta muito bem na fotografia.
O meu único problema é com aqueles ramos que aparecem no lado esquerdo. Sem eles (mas eu tenho consciência que a Rute não pode andar com um tesoura da poda atrás) a fotografia ficaria "perfect!".
:-)

Rute disse...

JOÃO F., PEDRO e SÉRGIO

Muito obrigada:)

1 beijo para cada 1


MANU

Como te disse lá no teu cantinho, não conheço bem a filosofia de Buda, mas pelo que tenho ouvido aqui e ali parece-me que transpira sabedoria...esta frase que aqui me deixa faz muito sentido e deixa-me a pensar!
Obrigada e 1 beijinho:)

JOÃO

fiquei na dúvida em relação à parte da fotografia a que se refere...se é a de cima ou a de baixo...
Obrigada e 1 beijo:)

MFC

...era exactamente a 'essa' parte de nós que me referia quando escrevi este texto...
obrigada pelas tuas palavras

1 beijo:)

IRIS

...Concordo contigo...são as partes do todo...e há certas partes realmente intocáveis!
Obrigada pela partilha...:)

1 beijinho

RODRIGO e ROBERTO

Obrigada pela visita e pelas palavras.
Voltem sempre:))

ZEKARLOS

...muito obrigada!

1 beijo:)

HELDER

Obrigada:))

1 beijo:)

REMUS

...pois...a questão é que eu acho que tu e o João Menéres se estão a referir à mesma parte da fotografia...ele chamou-lhe 'base' e tu 'parte de baixo'...mas tenho dúvidas...
Mas ainda bem que gostaste:)

1 beijo:)

João Menéres disse...

RUTE

Eu escrevi "parte da base", portanto seria a de baixo.

Um beijo.

Rute disse...

João

Por acaso pensei que se referia à parte de cima, que é a base do reflexo das árvores...

L.Reis disse...

Uma reflexão...um reflexo...e no jogo de espelhos sobra a nitidez com que vês e falas...

Rute disse...

Lina

Obrigada pelas tuas palavras...:)
...às vezes também ando por entre névoas e lá se vai a nitidez por um canudo;)

1 beijinho

Nuno disse...

E de repente... fiquei sem palavras para comentar este belo e profundo post...

Rute disse...

Nuno

Obrigada...:))

1 beijinho