sexta-feira, 6 de janeiro de 2012



Se eu pudesse trincar a terra toda
E sentir-lhe um paladar,
Seria mais feliz um momento...
Mas eu que nem sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se poder ser natural...

Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva...

O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja..."


Fernando Pessoa



23 comentários :

João Menéres disse...

Não conhecia, imagina, RUTE !...
Há sempre algo que nos escapa...

Obrigado e um beijo.

Rute disse...

João

Há sempre muitas coisas para descobrir...felizmente!
Este poema, para ser mais precisa, é de Alberto Caeiro, in " O Guardador de Rebanhos".

1 beijo:)

Fábio Martins disse...

Era um grande senhor, o Pessoa.
A imagem levou tratamento não Rute? Pelo menos parece... mas gosto

João Menéres disse...

Desse heterónimo conheço pouco.
Mas tinha obrigação de me lembrar
d' O GUARDADOR DE REBANHOS, pois já o li, embora há muito tempo...

Um beijo e obrigado.

A.S. disse...

Pessoa deixa-nos palavras tão actuais que nelas nos revemos com a transparência da água mais cristalina!...


Beijos, Rute!
AL

Remus disse...

Uma fotografia de «fotógrafo artista". A Rute está a ficar mestre!
Boa técnica fotográfica, sendo esta uma das poucas situações onde podemos apresentar fotografias tremidas.

mfc disse...

Que foto fantástica!
Que sensibilidade que está ali...!

Existe um Olhar disse...

Uma foto que tem tudo a ver com o texto que escolheste do Pessoa.
Por vezes são precisos momentos menos bons para apreciarmos melhor os que nos deixam com aquele brilhozinho nos olhos.

Beijos
Manu

L.Reis disse...

Fernando Pessoa tem este condão da lucidez...é muito "enervante"!
Gostei deste teu momento noturno e "desfocado"...brevemente tudo voltará a ter cor e os dias recuperarão o seu suave contorno.
Um beijo, Rute!

mariiana capela fotografia disse...

A fotografia está bonita e Fernando Pessoa é Fernando Pessoa :)
gostei

Rute disse...

Fábio

O Senhor Pessoa era uma pessoa extraordinária, na minha modesta opinião, o maior poeta português de sempre.

A imagem levou com um grande 'desfocamento' em cima para se adequar às palavras e vice-versa.

1 beijo:)

Rute disse...

AL

Tens toda a razão, penso que existem perguntas, medos, dúvidas... que são transversais a todos os tempos e por isso mesmo nunca se desactualizam... Fernando Pessoa seria sempre especial e actual independentemente da época em que tivesse nascido.

1 beijo e obrigada pela visita:)

Rute disse...

Remus

Vais ter que me explicar isso melhor! Porque é que esta é uma " das poucas situações"...sabes que faço por intuição.

* Gostei do elogio:))

1 beijinho

Rute disse...

mfc

Muito obrigada...:)

1 beijo

Rute disse...

Manu

Obrigada pelas tuas palavras que como sempre, são sábias...

1 beijinho:)

Leonor disse...

Que bem liga a imagem com o texto! e um texto a ler sempre

Rute disse...

Lina

Fernando Pessoa tem esse condão...e muitos outros 'condões', aquilo que podemos aprender sobre a nossa natureza é infinitoooooo.

Os P&B e a cor vão alternando...inevitavelmente!

1 beijinho grande e obrigada pelas tuas palavras:)

Rute disse...

mariiana

Obrigada pela tua visita e pelas tuas palavras...e tens toda a razão, " Fernando Pessoa é Fernando Pessoa"...o que dizer, não é?

1 beijinho:)

Rute disse...

Leonor

Obrigada pela sua visita e pelas palavras que me deixou.

Volte sempre:)

teca disse...

Impressionante são os versos sempre atuais de Pessoa... agradecida pelo momento... "O que é preciso é ser-se natural e calmo na felicidade ou na infelicidade..."

Um beijo carinhoso.

Rute disse...

Teca

Obrigada pela visita e pelas palavras.

1 beijinho grande tb para ti:)

Remus disse...

Então não é?
Geralmente e visualmente as fotografias tremidas não são apelativas.
Mas se a fotografia transmitir uma ideia de "fugacidade", ou então se for totalmente abstracta, as tremidelas já não interessam para nada.
;-)

Rute disse...

Remus

Tens razão, mas não tive a certeza se era isso que querias dizer com o 1º comentário.

1 beijo:)