terça-feira, 9 de janeiro de 2018

O milagre de dar vida!...


O milagre de dar vida é sem dúvida o milagre dos milagres! 
O desenvolvimento dentro do meu corpo de uma potencial pessoa é sem dúvida algo de extraordinário, maravilhoso, único... 
Na altura era muito nova, tive duas filhas com dois anos de intervalo e o cansaço era muito e a experiência pouca e por isso estas questões existenciais só viriam a ocupar a minha mente muitos anos mais tarde, já depois de ter a terceira filha crescidinha. 
"Assistir" ao nascimento, crescimento e amadurecimento de um filho é uma aventura inigualável! Ver a transformação de uma coisinha minúscula e completamente dependente de nós numa amostra, num projecto de gente que rapidamente deixa de ser projecto e passa a ser efectivamente 'gente' tem tanto de belo como de misterioso...como é possível?? "Do nada" emergem com consciência, com aptidões com particularidades, qualidades e defeitos e...vão-se afastando do colo que as alimentou, que as mimou que lhes deu a vida! E tornam-se também eles potenciais "criadoras de gente".
Não foi fácil criar três filhas! Foi duro, foi cansativo porque educar dá muito trabalho...muito mais do que alimentar, vestir e levar à escola. Educar exige muito mais de nós, exige paciência, firmeza, perseverança, dedicação...e muitas vezes lágrimas de cansaço, de exaustão porque achamos que afinal falhamos e não fomos boas mães!
Inexoravelmente os anos passam e dou comigo a olhar para elas com admiração e a  questionar-me se estas pessoas são as mesmas que passaram os primeiros meses da sua existência dentro de mim! Se são as mesmas que tantas vezes me deixaram esgotada, desgrenhada, zangada, desesperada... E não é que são?!! 
É tão bom poder dizer que valeu a pena, que se tornaram pessoas autónomas, responsáveis, pessoas que não olham somente para o seu umbigo mas que são atentas àquele que está ao seu lado. Pessoas que têm a capacidade de sentir que o melhor do mundo são as pessoas e os afectos que trocam entre si.

P.S- Esta minha reflexão pode levar-vos a pensar que já sou uma pessoa bastante  idosa, mas ainda não...as minhas filhas mais velhas são duas jovens adultas (23 e 25) e a mais nova ainda é uma adolescente com 17 aninhos acabados de fazer...;)

1 comentário :

Remus disse...

Coitadinha... E anda uma mãe a cuidar de uma filha, que tantas vezes a deixou "esgotada, desgrenhada, zangada, desesperada" para ela agora andar vestida com umas calças todas rotinhas.
Vou mandar um saco cheio com calças para a Buraca, para que ela não tenha mais que andar com as calças rotas.
:-D :-D

Excelente retrato. E cada vez mais, acho que a Rita podia ser modelo. Aqueles olhos e expressão é "coisa" de modelo profissional.
Parabéns às duas!